In-Pulso Cia de Dança

 

Sobre a Cia

A In-Pulso Cia. de Dança, uma Cia contemporânea com direção geral de Erick Silva, iniciou seus trabalhos em 2001 no SESC Pinheiros, com o espetáculo “Baloguns”,com o qual fez o circuito SESC e realizou turnê pelo Paraguai, Argentina, Espanha e Itália.

No ano de 2003, estreou o espetáculo “Do tempo do BOB” no SESC Vila Mariana e realizou turnê por todo o Brasil. Em 2007, estreou “Da Capo” no Teatro Sérgio Cardoso e realizou turnê pela América Latina. Em 2009, foi a estreia de “Todas as águas do mundo” no Festival de Música de Tatuí e após seguiu em turnê pelo Brasil. Por falta de incentivo a Cia ficou parada por alguns anos. E voltou as atividades neste ano de 2017 estreando o trabalho “Meu tempo é quando” baseado na vida e obra de Vinicius de Moraes e com Iracity Cardoso assumindo a direção artística.

Em 2018 a Cia ganhou o prêmio de melhor trabalho do Danza Firenze na Itália e em 2019 melhor Cia no Ballet Beyond Borders em Los Angeles - EUA. . 

Com a pandemia mais um ano e meio de trabalho foram interrompidos voltando em 2021 agora tendo Stefania Petry como diretora artística e produtora e uma estreia, o ballet Cacto que retrata as angustias que passamos na pandemia com tudo transbordando do lado de dentro e faltando do lado de fora.

Direção

 
Quadros professores (1).png

ERICK SILVA
Diretor Geral e Coreógrafo

O professor e coreógrafo Erick Silva iniciou seus aos 8 anos no Centro de Dança Maria da Conceição em Recife - Pernambuco. Quando adolescente integrou o Ballet de Cultura Negra, mas a partir de seus 17 passou por companhias como Experimental Cia. de Dança, Maracatu Nação Pernambuco, Cia. de Daniel Bratt, na Alemanha, e o Zik, na França. Em seu retorno para o Brasil, foi bailarino da Cia. Deborah Colker e Cia. Paulista de Teatro Musical, além de ministrar aulas na USP e na Brincants. Teve como diretores e coreógrafos:  Ivonice Satie, Ismael Guizer, Ariel del Mastro, Gustavo Carrizo, Ubiraci Ferreira, Jorge Garcia, Suzana Iamauchi, José Possi Neto, Monica Lira e Liliane Benevento. Hoje atua lecionando em diversas escolas de São Paulo, é diretor da Mostra Dança Produções e faz parte do Conselho Internacional da Dança - Unesco.

STEFANIA PETRY
Diretora Artística e Produtora
 
Formou-se em Ballet Clássico pela Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Dançou no Teatro Bolshoi de Moscou e Ravello na Itália, além de dançar na turnê brasileira do Ballet Scala de Milão. Participou do Summer Intensive Program do Boston Ballet School nos EUA e foi convidada a integrar a escola. De volta ao Brasil integrou a Cisne Negro Cia. de Dança na temporada de O Quebra Nozes. Fez parte da Cia Brasileira de Danças Clássicas e Cia Paulista de Dança, foi convidada a estagiar na Deborah Colker Cia. de Dança.
Trabalhou com diretores e coreográfos renomados no mundo da Dança como Nina Speranskaya, Frederic Olivieri e Vladimir Vassiliev.
Atualmente dirige o Studio de Ballet In-Pulso, leciona e ensaia a Cia. In-Pulso de Dança, faz parte do Conselho Internacional da Dança – Unesco e também dirige a Mostra Dança Produções onde faz toda a produção dos eventos desde 2010.
Em 2021, criou o Curso de Professores Vaganova Prático, que em 2022 recebeu o título de Extensão Universitária reconhecido pelo MEC e chancelado pela Faculdade de Brasilia.

Quadros professores.png

Bailarinos

 

Últimos Trabalhos

 

Em breve audições

                                                                                                                                                                        “Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
— Meu tempo é quando.”
                                                                       (Vinícius de Moraes)                                                                                  
1913, bairro da Gávea, Rio de Janeiro. Da união de uma pianista amadora com um violinista amador nasce o “poetinha”. Vinícius de Moraes... escritor, músico, diplomata, dramaturgo, jornalista boêmio inveterado, malandro, conquistador. Um homem feito de muitas faces, sábias palavras e grandes amores. Na intensidade de seu viver, passam Tati, Regina, Lila, Maria, Nelita, Gesse, Marta, Gilda... suas mulheres, suas paixões. Passam Suzana, Georgiana, Luciana, Maria e Pedro... seus maiores amores. Passam Tom, Toquinho, Baden, Moacir... seus companheiros. Ficam as palavras, os versos, os sonetos... O poeta do encontro, a quem a vida nada negou e que também não se negou a vida. A arte de Vinícius nasce da sua união: consigo mesmo, com o outro, com as suas paixões, com os seus dois lados, o branco e o preto. Vinícius viveu através de sua bossa, de seu samba, de suas mulheres, de seus filhos, de seus amigos, de seus orixás, mas, principalmente, de sua paixão por viver. Saravá, Vinícius!

Cacto.jpg

Cacto, é um desapego, um desconforto colocado dentro de movimentos da dança contemporânea.
Todos temos nossos espinhos, nossos medos e anseios, nossas faltas de alguma coisa, e que ficou ainda mais latente com a pandemia.
Cacto é o que está transbordando do lado de dentro mas falta do lado de fora, tudo que está dentro está pronto pra ser vivido, mas o que está fora está distante, sem disponibilidade.
 
A dança nos permite sentir e refletir sobre a nossa vivência e nossas peculiaridades.
Cacto propõe essa idéia de conexão conosco, que após um longo período trancado nos trouxeram tantos questionamentos.